segunda-feira, agosto 06, 2018

Sugestões Julho 2018

Tinha ficado a promessa no ar de destacar alguns registos que haviam ficado de fora nestas resenhas mensais, no entanto, devido a problemas graves com o PC, tal não será possível para já, mas acredito que na recta final deste ano tenha conseguido resgatar parte deles (assim espero!).
Entretanto o mês de Julho continuou a ter um fluxo de edições bastante assinalável como poderão constatar nos registos abaixo assinalados.


77:78 - "Jellies"















Das cinzas dos recomendáveis The Bees surgem os 77:78 e o seu soalheiro "Jellies", um disco perfeito para desfrutar no Verão, com aproximações sonoras aos Beach Boys, Zombies, Super Furry Animals e Beta Band, assente em faixas tão apelativas quanto "Love Said (Let's Go)" e "Chilli".

Jaye Jayle - "No Trail And Other Unholy Paths"














Projecto paralelo de Ewan Patterson dos Young Widows, no qual explora uma vertente sonora algo distinta da ruidosa banda principal. Neste caso um gothic-folk-blues na linha de um Nick Cave, Mark Lannegan e Wovenhand com colaboração em diversos temas de Emma Ruth Rundle que poderá ser deviamente apreciada em Outubro próximo.


Ovlov - "Tru"














Cinco anos após a estreia com "Am" que figurou na minha lista dos melhores de 2013, esta banda oriunda do Connecnicut, retorna às lides discográficas com mais uma valente dose de indie-rock bem esgalhado a recordar os Dinosaur Jr., Built To Spill, um piscar de olho ao shoegaze e uma proximidade aos LVL UP e Yuck.

Pram - "Across The Meridian"














Se os Ovlov levaram cinco anos a editar um novo disco, os veteranos Pram dobraram o tempo e após um década regressam com este "Across The Meridian" no qual a banda funde exótica, library music, jazz e bandas-sonoras, num todo que não é de fácil assimilação mas que ganha protagonismo após várias audições.

Wimps - "Garbage People"














Segundo álbum deste trio de Seattle, editado na mítica Kill Rock Stars com uma atitude punk mas com um forte pendor melódico e um saudável sentido de humor, "Garbage People" resulta num disco que coloca num ápice toda a gente a dançar e a pular!

Young Scum - "Young Scum"














Estreia desta banda de Richmond, Virginia e o seu indie-jangle pop a servir de banda sonora a canções sobre amizade, empregos, ponderar o futuro entre outras temáticas que assola esta malta na casa dos 20. Curiosamente soam a bandas que pertencem ao catálogo da sueca Labrador.


Negative Scanner - "Nose Picker"














Em 2015 esta banda de Chicago impressionou com o seu registo debutante e o mais recente "Nose Picker" não lhe fica atrás mercê do seu estimulante post-punk em temas curtos mas plenos de pujança.


Pinch Points - "Mechanical Injury"














Prosseguindo por trilhos post-punk, "Mechanical Injury" é o enérgico primeiro ep dos australianos Pinch Points e pela amostra nesta cassete são uma banda a ter em conta no futuro.

Clearance - "At Your Leisure"














Tal como os Negative Scanner, os  Clearance são igualmente oriundos de Chicago, contudo a sua sonoridade remete para um jangle-indie-rock que tem tanto de Feelies como do catálogo da Flying Nun e uma abordagem sonora em comum com os Salad Boys e Rolling Blackout Coastal Fever.


Smokescreens - "Used To Yesterday"














Numa mesma toada de devoção ao influente som proveniente da Nova Zelândia surge o novo registo dos Smokescreens que absorve essa influência e adiciona elementos da vaga C86 e jangle-pop da escola R.E.M., num todo que cativa com facilidade.

Primo - "Primo Amici"














As australianas Primo! acabam de editar o seu curto mas jovial primeiro álbum que tanto pica o ponto no post-punk  (Slits, Kleenex) como no indie-pop (Jale, Electrelane), repleto de melodias simples mas eficazes, e sim, a marca da Flying Nun também se faz notar!

Optiganally Yours - "O.Y. In Hi-Fi"














Dos inúmeros projetos musicais do prolifico Rob Crow, é um facto que os Pinback são os que mais se destacam, no entanto esta sua investida com base no teclado deveras sui generis de seu nome Optigan, acaba por revelar uma costela fortemente pop, e o resultado final não fica nada atrás em comparação com os de maior monta na sua carreira.

Khalab - "Black Noise 2084"














O novo registo do DJ / produtor italiano Khalab é uma sedutora abordagem futurística em termos de fusão de diversas sonoridades: do afrobeat ao future bass, das field recordings ao hip-hop, jazz e eletrónica, contando com colaborações de peso como Shabaka Hutchings, Clap! Clap! e Moses Boyd na criação de um disco empolgante e visionário.

Massage - "Oh Boy"














Editam pela australiana Tear Jerk records mas no entanto os Massage são oriundos de L.A. e após dois anos de gestação editam o seu disco de estreia que contou com a produção de Jason Quever dos Papercuts. Com as influências à flor da pele, ainda assim a banda realiza um disco aprazível com aquele toque de intemporalidade pop.

terça-feira, julho 24, 2018

Edu (Mouco) Cover Sessions: Beach Boys

01 – The Jesus & Mary Chain – “Surfin’ USA” 02 – Steve Almaas & Ali Smith – “The Lonely Sea” 03 – Epicycle – “Wake The World” 04 – The Magnetic North – “You Still Believe In Me” 05 – Adam Green & Ben Kweller – “Kokomo” 06 – The Mockers – “God Only Knows” 07 – Saint Etienne – “Wouldn’t It Be Nice” 08 – Tom McRae & The Standing Band – “Sloop John B” 09 – Franck Black – “Hang On To Your Ego” 10 – Tim Burgess – “Don’t Talk (Put Your Head On My Shoulder)” 11 – Yo La Tengo – “Little Honda” 12 – Pizzicato Five – “Passing By” 13 – The Langley Schools Music Project – “In My Room” 14 – Here We Go Magic – “Caroline No” 15 – Limiñanas – “I Know There’s An Answer” 16 – Los Perros – “Surfin’ USA” 17 – Baston – “Little Honda”

quinta-feira, julho 05, 2018

Sugestões Junho 2018

Provavelmente um dos meses com mais edições discográficas, deixo-vos com algumas sugestões relativas a Junho e se tudo correr de feição, em breve publicarei uma lista de discos que ficaram de fora neste primeiro semestre. Boas audições!

Beach Skulls - "Las Dunas"














Segundo álbum desta banda britânica com propensão para guitarradas surf aliadas ao fuzz do garage rock ou às melodias mais lânguidas do jangle-pop. Ou seja tanto soam a Wavves e Black Lips como a Allah-las, Tijuana Panthers ou La Luz. Tudo bons exemplos!

Bodega - "Endless Scroll"














O disco de estreia desta formação novaiorquina tem todos os ingredientes para estourar em breve. Já os imagino a seduzir a audiência de um Primavera Sound com o seu post-punk de carácter dançável algures entre os Delta 5, LCD Soundsystem, B-52's, Shrags, mas também a apontar noutras direcções próximas aos Modest Mouse e aos Beat Happening. Destaque para as letras incisivas mas igualmente bem-humoradas.

Boy Azooga - "1, 2, Kung Fu!"















Apontados como uma das grandes apostas para este ano, a par dos Shame, HMLTD, entre outros, os galeses Boy Azooga editam finalmente o seu registo debutante, revelador de uma banda com uma paleta sonora alargada de forte pendor pop, desde logo comparados aos conterrâneos Super Furry Animals, mas também aos Eels, Django Django, Diagrams e The Coral.


Chancha Via Circuito - "Bienaventuranza"














Está mais que visto que a cumbia está em alta, e para o provar surge o novo disco dos Chancha Via Circuito,  projecto do argentino Pedro Canale que funde os ritmos hipnóticos desse género com instrumentos típicos dos Andes aos quais adiciona uma componente mais moderna através de batidas e efeitos electrónicos para além das preciosas colaborações vocais.

Flasher - "Constant Image"














Editado pela histórica Domino, "Constant Image", a estreia deste trio de Washington D.C. com  ligações aos recomendáveis Priests, pode até encaixar no rótulo post-punk mas os Flasher destacam-se pela sua vertente melódica a recordar os Papas Fritas, Imperial Teen e uma inclinação para a new wave através dos Devo e B-52's. 

Rolling Blackout Coastal Fever - "Hope Downs"














Este é daqueles que mesmo antes de ser editado garantidamente seria do meu agrado, e felizmente tal acontece. Diria mesmo que dificilmente irão encontrar um disco POP (com letras maiúsculas) deste calibre este ano. Se o refrão de "Talking Straight" não ficar colado ao vosso cérebro, então é melhor consultar um médico.

Shannon Shaw - "Shannon In Nashville"














Disco a solo de Shannon Shaw, desta feita sem os The Clams mas com veteranos músicos de sessão, para além do precioso contributo de Dan Auerbach (Black Keys) que edita pela sua Easy Eye Sound. Desde o titulo a piscar o olho ao "Dusty In Memphis", passando pela produção intemporal e claro está as canções ora a tender para as girls groups ou para a balada country de um Roy Orbison ou Wanda Jackson, este registo a solo tem tudo para fazer justiça ao talento de Shannon.

Shawn Lee & The Soul Surfers - "Shawn Lee & The Soul Surfers"














Músico / produtor americano radicado em Londres e já com uma vasta discografia, Shawn Lee alia-se aos Soul Surfers, banda de soul / funk oriunda da Rússia, para criar um disco do qual James Brown ou Sly Stone decerto teriam orgulho. Destaque para os "drum breaks" produzidos com os quais a malta do sampling terá sonhos húmidos.

Vital Idles - "Left Hand"














A estreia dos escoceses Vital Idles remete para aquela época dourada do indie em meados da década de 80 quando editar um single de autor ou por uma editora minúscula era um enorme feito. Músicas curtas sem floreados mas com aquele toque arty-post-punk que faz toda a diferença.


Young Widows - "Decayed: Ten Years of Cities, Wounds, Lightness, and Pain"














Recolha de material editado ao longo de uma década em singles, b-sides, splits e raridades, na qual os injustiçados Young Widows demonstram que não se ficam por um só género e que tanto agitam os nossos ouvidos com um violento noise rock como nos seduzem para territórios dark/gothic/folk.

Dumb - "Seeing Green"














O terceiro álbum desta banda canadiana é uma espécie de fusão entre os primórdios dos Wire e a economia punk criativa dos Minutemen assente em constantes dinâmicas. Nunca o post-punk esteve tão bem servido e os Dumb fazem parte de um lote bem alargado de bandas a ter em atenção.

The TeleVibes - "Major Drones"














Banda de Boston pela qual nutro um especial carinho porque, para além de apreciar a sua fusão de rock psicadélico, garage rock e surf, disponibilizam sempre os seus registos de forma gratuita e este "Major Drones" não é excepção. Tal como o titulo evidencia, Os TeleVibes acentuam a sua veia psicadélica, destacando-se desde logo a "trip" de uma vintena de minutos patente em "Major Drones Side B".


So Stressed - "Pale Lemon"














Ao terceiro disco, esta ruidosa formação de Sacramento decide implementar uma viragem sonora aproximando-se de territórios como o slowcore, jazz, folk e indie-pop mas aqui e ali ainda com resquícios de um passado mais barulhento. Dos Luna ao Elliot Smith, dos The Sea & Cake aos Codeine, dos Grandaddy aos Pinback. A descobrir definitivamente.

Lay Llamas - "Thuban"














Novo registo desta projecto liderado pelo italiano Nicola Giunta que se rodeou de malta amiga (GOAT, Clinic, Mark Stewart, entre outros) para criar um disco psicadélico conceptual sobre uma estrela polar e os fluxos migratórios que têm ocorrido nos últimos tempos.

terça-feira, julho 03, 2018

Summer Tape 2018 (Beach Bands Issue)




01 - Tastes Like Medicine by Menace Beach 02 - Power Cuts by Beach Volleyball 03 - Friends by Aether Beach 04 - We're Growing Up by Long Walks On The Beach 05 - Bad Art & Weirdo Ideas by Beach Slang 06 - What A Pleasure by Beach Fossils 07 - I'm Giving Up by Nude Beach 08 - The Dust In Modern Eyes by Beneath The Beach 09 - Boom by Panda Beach 10 - I Would Like One Zooey Deschanel, Please by Kimono Beach Party 11 - Maybe by Beachtape 12 - You'll Be Fine, Sister by Bloody Beach 13 - Don't Call Me On The Phone by Beach Day 14 - I Saw You by Beach Vacation 15 - Plain Life by Beach Body 16 - Equal Mind by Beach House 17 - Sweet 17 by Dirty Beaches

terça-feira, junho 05, 2018

Sugestões Maio 2018

Por esta altura as edições sucedem-se a um ritmo impressionante e eu tento não perder a passada. Já sabem que podem ouvir parcial ou totalmente clicando nos títulos dos discos. Siga!

The Buttertones - "Midnight In A Moonless Dream"














Esta pandilha californiana retorna um ano após "Gravedigging", sonho húmido para fanáticos de noites de Halloween. Desta feita, inclinam-se mais para o thriller de acção, de preferência a preto e branco, com óptimos resultados. As referências vagueiam tal como no anterior, entre o surf-noir, os Cramps, Gallon Drunk, Flaming Stars, Scientists, Nick Cave, Gun Club, o mestre Morricone entre outros. Destaque para o saxofone, cada vez mais um elemento preponderante na sua sonoridade.

Big Ups - "Two Parts Together"














Cotados como uma das bandas mais criativas do panorama post-hardcore, os Big Ups apresentam o seu terceiro longa-duração e como seria de esperar não desiludem. Um constante balançar entre partes agressivas e outras mais tranquilas, com piscadelas de olho ao math-rock e às melodias imprevistas dos Pinback ou June of 44.


Hit Bargain - "Potential Maximizer"














No seguimento de diversas bandas com costela punk irritadas com a administração Trump, mas que não se ficam pela repetição de clichés do género (Downtown Boys, Priests), os Hit Bargain são mais um belo exemplo a adicionar a esta nova vaga. Nas suas fileiras militam elementos dos Pains of Being Pure At Heart, Cold Beat, These Are Powers , North Highlands e Beach Fossils.

ILL - "We Are ILL"














Estreia em grande desta banda feminina oriunda de Manchester, cuja sonoridade arty-punk-funk remete para as Slits, Kleenex, Delta 5, X-Ray Spex com um dose extra de saudável loucura / experimentação e cujo teor lírico é bem evidente porque razão destaquei o facto de serem mulheres no inicio este parágrafo.

Landing - "Bells In New Towns"














Os Landing já andam nestas andanças vai para 20 anos e curiosamente só agora (creio eu) tomei conhecimento da sua existência. Este registo de espinha dorsal psicadélica, deriva com facilidade e surpreendente qualidade para outros territórios onde figuram bandas tão estimulantes quanto os Yo La Tengo, Low, Bardo Pond, My Bloody Valentine, Blonde Redhead, Cranes entre outros.


Malphino - "Visit Malphino"














Mais um exemplo de que a cumbia está em alta é a estreia desta misteriosa formação sediada em Londres, que acrescenta uma boa dose de exótica neste refrescante cocktail sonoro ideal para noites quentes de Verão.

Parquet Courts - "Wide Awake"














Se "Human Performance" a estreia na mítica Rough Trade não me convenceu, dois anos volvidos, os Parquet Courts surgem com as baterias recarregadas e apesar de não se desviarem da sua usual sonoridade post-punk (o que é bom!),  não se escusam em abrir mais o leque de influências a outras paragens.

Lawn - "Blood On The Tracks"














Na senda dos registos de estreia editados este mês, neste caso em cassete, eis mais um exemplo a cargo da dupla Lawn, sediada em Nova Orleães, da qual é parte integrante o baixista/vocalista de nome tão luso Rui de Magalhães. Tanto é jangle-pop como post-punk, tanto é Feelies como Flaming Groovies, Television, Jonathan Richman ou Women.


The Sea And Cake - "Any Day"














Novo registo desta veterana banda de Chicago que ao longo de uma carreira com um quarto de século de existência, não se desvia da sua fórmula sonora assente numa pop onde coabitam a melodia e a componente experimental com apontamentos folk e jazz. "Any Day" não sendo o melhor da sua discografia, inclui inúmeros momentos de alto quilate como "Cover The Mountain" ou "I Should Care".

Varsity - "Parallel Person"














O segundo álbum dos Varsity, é um exemplo perfeito para servir de banda-sonora a umas férias com sol e praia à mistura, graças às suas melodias indie-twee-pop com a dose certa de melancolia para contrabalançar o excesso de açúcar. Não é por acaso que já os inclui numa "Summer Mixtape"!

Terra Pines - "Terra Pines"














Provenientes de Brisbane na Austrália, o trio Terra Pines acaba de editar o seu poderoso homónimo disco de estreia que pode ser descarregado gratuitamente. A própria banda descreve a sua sonoridade de grungegaze e sludgepop, algo com o qual facilmente concordamos e louvamos.


Yonatan Gat - "Universalists"














Um dos discos mais bizarros que tive o prazer de ouvir neste ano é sem dúvida este "Universalists" da autoria de Yonatan Gat (Monotonix), uma preciosa fusão de noise-math-rock com surf, flamenco, inúmeros samples retalhados, colaborações vocais, contribuições de várias partes do globo, num todo que se revela deveras entusiasmante.

Just Mustard - "Wednesday"














Uma das maiores surpresas deste corrente ano são os irlandeses Just Mustard com o seu disco debutante "Wednesday", mescla de noise-rock e shoegaze com uma produção crua à Albini, uma tensão latente presente em todas as faixas e a espaços a recordar os seus conterrâneos Girl Band.


Tracyanne & Danny - "Tracyanne & Danny"














A colaboração entre Tracyanne Campbell, a encantadora voz dos Camera Obscura e do seu amigo Danny Coughlan dos Crybaby, é o primeiro registo sonoro após o inesperado falecimento de Carey Lander, outrora baixista da banda escocesa e melhor amiga de Tracyanne. Phil Spector, cancioneiro Bacharach, Velvet Underground, Nancy & Lee, soul-pop são alguns dos ingredientes deste cativante disco com produção de Edwyn Collins.


Lithics - "Mating Surfaces"














O rótulo post-punk que amiúde é usado possui uma abrangência tal que por vezes já nem sei ao certo onde começa e termina mas no caso dos Lithics é sem dúvida bem empregue. "Mating Surfaces" é um disco conciso, sem gorduras, com a dose certa de funk e ruído sacado da No Wave.

segunda-feira, maio 28, 2018

Edu (Mouco) Cover Sessions: Rolling Stones



01 – Walter Lure and The Ramones – Street Fighting Man 02 – Johnny Dowd – Mother’s Little Helper 03 – The Bamboos – Can’t You Hear Me Knocking 04 – Goo Goo Dolls & Lance Diamond – Bitch 05 – Blind Boys Of Alabama – I Just Want To See His Face 06 – Chris Farlowe – Paint It Black 07 – Mary Wells – Satisfaction 08 – Sharon Jones & The Dap-Kings – Wild Horses 09 – Arif Mardin – Sympathy For The Devil 10 – Ananda Shankar – Jumpin’ Jack Flash 11 – Alice Russell – Brown Sugar 12 – Hawkwind – Gimme Shelter 13 – Buffalo Tom – The Spider And The Fly 14 – Beta Hector – Angie 15 – Soup Dragons – I’m Free 16 – Devo – Satisfaction 17 – Luna – Waiting On A Friend 18 – Come – I Got The Blues 19 – Johnny Harris – Paint It Black

terça-feira, maio 15, 2018

Edu (Mouco) & Mar Superior Present "Songs From The Old House #11"

01 - Verve - "A Man Called Sun" 02 - Paul Quinn & The Independent Group - "The Damage Is Done" 03 - Julian Cope - "Head Hang Low" 04 - Weekend - "Sleepy Theory" 05 - Spell - "Rosemary's Baby" 06 - Nadia Schilling - "Kite" 07 - Sonora Pine - "Weak Kneed" 08 - Haley Heynderickx - "The Bug Collector" 09 - Andrew Bird - "A Nervous Tic Motion.." 10 - Gravenhurst - "Song Among The Pine" 11 - Boduf Songs - "This One Is Cursed" 12 - Tim Buckley - "Phantasmagoria In Two" 13 - Woven Hand - "Swedish Purse" 14 - Bedhead - "The Dark Ages" 15 - Seam - "Inching Towards Juarez" 16 - Durutti Column - "Messidor"