sexta-feira, fevereiro 24, 2017

Pissed Jeans - "Why Love Now"


Os Pissed Jeans são um quarteto oriundo da Filadélfia e "Why Love Now" é já o quinto longa-duração novamente editado pela mítica Subpop, sendo mais um capitulo na sua sólida discografia iniciada em 2005 numa combinação sonora de hardcore, grunge, sludge e pigfuck, meros rótulos para descrever uma banda intensa, ruidosa, sarcástica, sombria, visceral, dignos sucessores de bandas tão impactantes quanto os Black Flag, Jesus Lizard e Mudhoney.

Este novo registo, quiçá o mais refinado, revela uma maior definição e diversificação sonora em relação aos discos anteriores onde raramente o pé era retirado do acelerador, facto evidente é a faixa de abertura "Waiting On My Horrible Warning" uma espécie de cruzamento entre os Cop Shoot Cop e o "grunhido" mais profundo de Tom Waits. Destaque igualmente para a faixa "I'm a Man" um relato sobre o assédio sexual no local de trabalho mas com a curiosidade de ser narrado pela escritora Lindsay Hunter.

No entanto não faltam malhas dignas do repertório clássico dos Pissed Jeans que facilmente imaginamos a criar reboliço na audiência como "The Bar Is Low", "Ignorecam" ou o relato de homens pagarem para serem ignorados. "Cold Whip Cream" é combustível  para o moshpit, ao passo que "Love Without Emotion" é o mais aproximado aos Killing Joke que alguma vez estiveram.

Ao longo da sua carreira os Pissed Jeans incidem em assuntos mundanos mas diria que o tópico principal é de evidenciar as fragilidades e desmistificar o papel do homem numa sociedade tendencialmente machista e misógina, algo facilmente detectável seja através das suas capas, títulos, ou conteúdo lírico de diversas faixas como "Not Even Married" ou a supra-citada "I'm a Man".

"Why Love Now" assegura um papel de destaque aos Pissed Jeans num panorama onde amiúde a agressividade sonora leva a lugares-comuns, algo que a banda contorna de forma exímia sem nunca deixar de soar contundente.



terça-feira, fevereiro 07, 2017

Crazy Rhythms (1978-1984)

01 "Warm Leatherette" - Grace Jones 02 "L'Elephant" - Tom Tom Club 03 "Me No Pop I" - Coati Mundi 04 "Rockit" - Herbie Hancock 05 "Cavern" - Liquid Liquid 06 "White Lines (Don't Do It)" - Grandmaster Flash & Melle Mel 07 "Walking on Thin Ice" - Yoko Ono 08 "I.O.U." - Freeez 09 "Is It All Over My Face" - Loose Joints 10 "Bustin' Out" - Material W/ Nona Hendryx 11 "Aspectacle" - Can 12 "Wheel Me Out" - Was (Not Was) 13 "Clear" - Cybotron 14 "Confusion" - New Order 15 "Fire" - Lizzy Mercier Descloux

quinta-feira, fevereiro 02, 2017

Uniform - "Wake In Fright"



"Wake in Fright", segundo registo de originais da dupla Michael Berdan (ex-Drunkdriver) e Ben Greenberg (ex-The Men), porventura será o disco mais agressivo que terão oportunidade de ouvir este ano, assente num noise-rock a tender para o industrial repleto de samples e vocalizações "in-your-face" que decerto vão deixar marcas no pavilhão auricular de quem se atrever a subir um pouco mais o volume.

 Assente numa ideia de como lidar com os anjos e demónios que povoam a nossa mente, o desespero como denominador comum a muitas sociedades que levam a certos vícios, a noção de guerra e violência constante, já para não falar nas politicas levadas a cabo por certos lideres, em suma, este mundo está fodido mas todos temos de lidar com isso. A partir daqui os Uniform idealizam um banda sonora de forma a retratar todas estas noções sem floreados nem rodeios.

"Tabloid", a faixa de abertura, irrompe pelas colunas e desde logo a batida maquinal e a vocalização possessa de Berdan num registo entre David Yow, Steve Albini e Al Jourgensen, revelam um disco pronto para deixar o ouvinte K.O. logo ao primeiro round. "Habit" que aborda o tópico do alcoolismo e "Night of Fear" poderiam encaixar perfeitamente na discografia dos colegas de editora Pop.1280 sobre os quais já discorri neste espaço e que comungam com os Uniform uma temática e sonoridade semelhantes.

Ao longo do disco vamos detetando um cunho EBM dos Nitzer Ebb aos Nine Inch Nails, ("The Lost" é quase dançável), contudo transpira igualmente as sementes punk lançadas pelos Suicide e Big Black, para além do industrial-metal dos Ministry, KMFDM, Godflesh e Fear Factory ("The Light At The End (Cause)", "The Killing of America" com direito a solo à Slayer e o puro espancamento sonoro de "Bootlicker"), num todo que transmite uma sensação de terror, pânico e agonia com as quais infelizmente temos de lidar diariamente.

domingo, janeiro 08, 2017

(Sort of a ) Best of 2016

01 "Boyfriend" - The Goon Sax 02 "Cold Reading" - Sea Pinks 03 "Bills" - Ultimate Painting 04 "The Conservation of Energy" - Vanishing Twin 05 "Whitest Boy on the Beach" - Fat White Family 06 "Melody in High Feedback Tones" - Cavern of Anti-Matter 07 "Fröhlichkeit" - Camera 08 "Slippery Slopes" - Cold Pumas 09 "Sytrawberry Glue" - Ulrika Spacek 10 "Magic Landing" - Holy Wave 11 "Prisunic" - Limiñanas 12 "Astrologie Siderale" - Whyte Horses 13 "Dana Katherine Scully" - Tacocat 14 "Body of Work" - Cave Story 15 "Coffee" - Kal Marks

quarta-feira, dezembro 21, 2016

2016 (concertos)

Resumo de um ano de concertos. Infelizmente não pude presenciar mais uns quantos por diversas razões. A ver se o panorama melhora para o ano.

-Cobalt Cranes (Maus Hábitos)
-Teeth Of The Sea (Rivoli)
-Minus One (Mercedes)
-Chicos De Nazca (Mercedes)
-White Haus / BEAK/ Dinosaur Jr/ Mudhoney/ Tortoise (Primavera Sound - Porto)
-Föllakzoid (GNRATION - BRAGA)
-Tijuana Panthers / Three Trapped Tigers (Ignition - Penafiel)
-Evols / Sons of Kemet / GOAT (Milhoes de Festa – Barcelos)
-Thurston Moore Group + Alek Rein (CC Vila Flor - Guimarães)
-La Luz (Maus Hábitos)
-Pop.1280 (Rivoli)
-65daysofstatic + Thought Forms (Hard Club)
-Cave Story + Palmiers (Associação Plata)
-Zu (Cave 45) -Indignu (Hard Club)

terça-feira, dezembro 20, 2016

2016 (um possível balanço musical)



A cada ano que passa a vontade em elaborar uma lista dos melhores discos do ano vai reduzindo tendo em conta a elevada percentagem de edições que não é escutada, de outros tantos que ficam aquém das expetativas, do tempo necessário para assimilar um disco em condições e obviamente das inúmeras listas por essa net fora nas quais pouco ou nada me revejo, salvo raríssimas exeções, que me levam a crer que andei a ouvir os discos errados durante todo este tempo (mentira!).

Todavia, não resisto em partilhar uma básica lista (ordenada alfabeticamente) dos álbuns que degustei ao longo do ano, na qual poderão detetar sonoridades variadas desde o indie-rock mais musculado ao indie-pop mais delicado,do pós-punk ao pós-hardcore,  psicadelismo q.b., sons globais, a omnipresente batida kraut, um cheirinho de hip-hop, fusões de vários géneros num mesmo disco, algum experimentalismo como é de praxe entre outros ingredientes, espelhando um espectro sonoro bastante alargado.

2016 não deixa saudades muito por culpa do panorama politico-social que se viveu e da saída de cena de ilustres nomes do panorama musical, no entanto, a música continua a ser um fiel escape à nossa existência, aquela nesga de sol por entre nuvens carregadas de stress, pessimismo e complicações, e por essa razão não consigo evitar em redigir umas linhas sobre um álbum, publicar um video, destacar uma canção, elaborar mixtapes, ou neste caso, simplesmente sugerir a audição destes discos, onde cada um à sua maneira, serviu de banda-sonora para mais um ano neste planeta. Até já 2017!

(clicar no titulo para ouvir)

01 - Aesop Rock"The Impossible Kid"
02 - Animal Faces"Other Places"
03 - Bambara"Swarm"
04 - Big Ups - "Before a Million Universes"
05 - Camera"Phantom Of Liberty"
06 - Cave Story"West"
07 - Cavern Of Anti-Matter"Void Beats/Invocation Trex"
08 - Chook Race"Around The House"
09 - Cold Pumas"The Hanging Valley"
10 - Fat White Family"Songs For Our Mothers"
11 - Future Of The Left"The Peace and Truce"
12 - GOAT"Requiem"
13 - Holy Wave"Freaks of Nurture"
14 - Idle Pilot "You Are Presently Looking Upwards"
15 - Imarhan"Imarhan"
16 - Kal Marks"Life Is Alright, Everybody Dies"
17 - Melt Yourself Down"Last Evenings On Earth"
18 - Mugstar -"Magnetic Seasons"
19 - Nick Waterhouse"Never Twice"
20 - Petite League"No Hitter"
21 - Scott & Charlene's Wedding"Mid Thirties Single Scene"
22 - Sea Pinks"Soft Days"
23 - Senior Service"The Girl In The Glass Case"
24 - Show Me The Body"Body War"
25 - Swans"The Glowing Man"
26 - Tacocat"Lost Time"
27 - The Goon Sax"Up To Anything"
28 - The Limiñanas"Malamore"
29 - The Lucid Dream - "Compulsion Songs"
30 - The Numerators"Strange"
31 - Ulrika Spacek"Album Paranoia"
32 - Ultimate Painting"Dusk"
33 - Vanishing Twin - "Choose Your Own Adventure"
34 - Wedding Present "Going, Going"
35 - Whyte Horses"Pop Or Not"

segunda-feira, dezembro 19, 2016

Noughties Pop Gems #1

01 - TUNNG - "Bullets" 02 - I'm From Barcelona - "We're From Barcelona" 03 - Acid House Kings - "Do What You Wanna Do" 04 - Concretes - "You Can't Hurry Love" 05 - Electric Soft Parade - "Empty At The End" 06 - Panther - "Violence, Diamonds" 07 - My Teenage Stride - "To Live And Die In The Airport Lounge" 08 - Little Ones - "Lovers Who Uncover" 09 - Long Blondes - "Giddy Stratospheres" 10 - Los Campesinos - "You! Me! Dancing!" 11 - Changes - "Water Of Gods" 12 - Envelopes - "Sister In Love" 13 - Mazarin - "For Energy Infinite" 14 - Hidden Cameras - "I Believe In The Good Of Life" 15 - Those Dancing Days - "Hitten" 16 - Camera Obscura - "LLoyd, I'm Ready to be Heartbroken" 17 - Magic Numbers - "Forever Lost" 18 - Boy Least Likely To - "Be Gentle With Me" 19 - Architecture In Helsinki - "It's 5" 20 - Ra Ra Riot - "Ghosts Under Rocks"