quinta-feira, julho 05, 2018

Sugestões Junho 2018

Provavelmente um dos meses com mais edições discográficas, deixo-vos com algumas sugestões relativas a Junho e se tudo correr de feição, em breve publicarei uma lista de discos que ficaram de fora neste primeiro semestre. Boas audições!

Beach Skulls - "Las Dunas"














Segundo álbum desta banda britânica com propensão para guitarradas surf aliadas ao fuzz do garage rock ou às melodias mais lânguidas do jangle-pop. Ou seja tanto soam a Wavves e Black Lips como a Allah-las, Tijuana Panthers ou La Luz. Tudo bons exemplos!

Bodega - "Endless Scroll"














O disco de estreia desta formação novaiorquina tem todos os ingredientes para estourar em breve. Já os imagino a seduzir a audiência de um Primavera Sound com o seu post-punk de carácter dançável algures entre os Delta 5, LCD Soundsystem, B-52's, Shrags, mas também a apontar noutras direcções próximas aos Modest Mouse e aos Beat Happening. Destaque para as letras incisivas mas igualmente bem-humoradas.

Boy Azooga - "1, 2, Kung Fu!"















Apontados como uma das grandes apostas para este ano, a par dos Shame, HMLTD, entre outros, os galeses Boy Azooga editam finalmente o seu registo debutante, revelador de uma banda com uma paleta sonora alargada de forte pendor pop, desde logo comparados aos conterrâneos Super Furry Animals, mas também aos Eels, Django Django, Diagrams e The Coral.


Chancha Via Circuito - "Bienaventuranza"














Está mais que visto que a cumbia está em alta, e para o provar surge o novo disco dos Chancha Via Circuito,  projecto do argentino Pedro Canale que funde os ritmos hipnóticos desse género com instrumentos típicos dos Andes aos quais adiciona uma componente mais moderna através de batidas e efeitos electrónicos para além das preciosas colaborações vocais.

Flasher - "Constant Image"














Editado pela histórica Domino, "Constant Image", a estreia deste trio de Washington D.C. com  ligações aos recomendáveis Priests, pode até encaixar no rótulo post-punk mas os Flasher destacam-se pela sua vertente melódica a recordar os Papas Fritas, Imperial Teen e uma inclinação para a new wave através dos Devo e B-52's. 

Rolling Blackout Coastal Fever - "Hope Downs"














Este é daqueles que mesmo antes de ser editado garantidamente seria do meu agrado, e felizmente tal acontece. Diria mesmo que dificilmente irão encontrar um disco POP (com letras maiúsculas) deste calibre este ano. Se o refrão de "Talking Straight" não ficar colado ao vosso cérebro, então é melhor consultar um médico.

Shannon Shaw - "Shannon In Nashville"














Disco a solo de Shannon Shaw, desta feita sem os The Clams mas com veteranos músicos de sessão, para além do precioso contributo de Dan Auerbach (Black Keys) que edita pela sua Easy Eye Sound. Desde o titulo a piscar o olho ao "Dusty In Memphis", passando pela produção intemporal e claro está as canções ora a tender para as girls groups ou para a balada country de um Roy Orbison ou Wanda Jackson, este registo a solo tem tudo para fazer justiça ao talento de Shannon.

Shawn Lee & The Soul Surfers - "Shawn Lee & The Soul Surfers"














Músico / produtor americano radicado em Londres e já com uma vasta discografia, Shawn Lee alia-se aos Soul Surfers, banda de soul / funk oriunda da Rússia, para criar um disco do qual James Brown ou Sly Stone decerto teriam orgulho. Destaque para os "drum breaks" produzidos com os quais a malta do sampling terá sonhos húmidos.

Vital Idles - "Left Hand"














A estreia dos escoceses Vital Idles remete para aquela época dourada do indie em meados da década de 80 quando editar um single de autor ou por uma editora minúscula era um enorme feito. Músicas curtas sem floreados mas com aquele toque arty-post-punk que faz toda a diferença.


Young Widows - "Decayed: Ten Years of Cities, Wounds, Lightness, and Pain"














Recolha de material editado ao longo de uma década em singles, b-sides, splits e raridades, na qual os injustiçados Young Widows demonstram que não se ficam por um só género e que tanto agitam os nossos ouvidos com um violento noise rock como nos seduzem para territórios dark/gothic/folk.

Dumb - "Seeing Green"














O terceiro álbum desta banda canadiana é uma espécie de fusão entre os primórdios dos Wire e a economia punk criativa dos Minutemen assente em constantes dinâmicas. Nunca o post-punk esteve tão bem servido e os Dumb fazem parte de um lote bem alargado de bandas a ter em atenção.

The TeleVibes - "Major Drones"














Banda de Boston pela qual nutro um especial carinho porque, para além de apreciar a sua fusão de rock psicadélico, garage rock e surf, disponibilizam sempre os seus registos de forma gratuita e este "Major Drones" não é excepção. Tal como o titulo evidencia, Os TeleVibes acentuam a sua veia psicadélica, destacando-se desde logo a "trip" de uma vintena de minutos patente em "Major Drones Side B".


So Stressed - "Pale Lemon"














Ao terceiro disco, esta ruidosa formação de Sacramento decide implementar uma viragem sonora aproximando-se de territórios como o slowcore, jazz, folk e indie-pop mas aqui e ali ainda com resquícios de um passado mais barulhento. Dos Luna ao Elliot Smith, dos The Sea & Cake aos Codeine, dos Grandaddy aos Pinback. A descobrir definitivamente.

Lay Llamas - "Thuban"














Novo registo desta projecto liderado pelo italiano Nicola Giunta que se rodeou de malta amiga (GOAT, Clinic, Mark Stewart, entre outros) para criar um disco psicadélico conceptual sobre uma estrela polar e os fluxos migratórios que têm ocorrido nos últimos tempos.
Enviar um comentário