segunda-feira, agosto 06, 2018

Sugestões Julho 2018

Tinha ficado a promessa no ar de destacar alguns registos que haviam ficado de fora nestas resenhas mensais, no entanto, devido a problemas graves com o PC, tal não será possível para já, mas acredito que na recta final deste ano tenha conseguido resgatar parte deles (assim espero!).
Entretanto o mês de Julho continuou a ter um fluxo de edições bastante assinalável como poderão constatar nos registos abaixo assinalados.


77:78 - "Jellies"















Das cinzas dos recomendáveis The Bees surgem os 77:78 e o seu soalheiro "Jellies", um disco perfeito para desfrutar no Verão, com aproximações sonoras aos Beach Boys, Zombies, Super Furry Animals e Beta Band, assente em faixas tão apelativas quanto "Love Said (Let's Go)" e "Chilli".

Jaye Jayle - "No Trail And Other Unholy Paths"














Projecto paralelo de Ewan Patterson dos Young Widows, no qual explora uma vertente sonora algo distinta da ruidosa banda principal. Neste caso um gothic-folk-blues na linha de um Nick Cave, Mark Lannegan e Wovenhand com colaboração em diversos temas de Emma Ruth Rundle que poderá ser deviamente apreciada em Outubro próximo.


Ovlov - "Tru"














Cinco anos após a estreia com "Am" que figurou na minha lista dos melhores de 2013, esta banda oriunda do Connecnicut, retorna às lides discográficas com mais uma valente dose de indie-rock bem esgalhado a recordar os Dinosaur Jr., Built To Spill, um piscar de olho ao shoegaze e uma proximidade aos LVL UP e Yuck.

Pram - "Across The Meridian"














Se os Ovlov levaram cinco anos a editar um novo disco, os veteranos Pram dobraram o tempo e após um década regressam com este "Across The Meridian" no qual a banda funde exótica, library music, jazz e bandas-sonoras, num todo que não é de fácil assimilação mas que ganha protagonismo após várias audições.

Wimps - "Garbage People"














Segundo álbum deste trio de Seattle, editado na mítica Kill Rock Stars com uma atitude punk mas com um forte pendor melódico e um saudável sentido de humor, "Garbage People" resulta num disco que coloca num ápice toda a gente a dançar e a pular!

Young Scum - "Young Scum"














Estreia desta banda de Richmond, Virginia e o seu indie-jangle pop a servir de banda sonora a canções sobre amizade, empregos, ponderar o futuro entre outras temáticas que assola esta malta na casa dos 20. Curiosamente soam a bandas que pertencem ao catálogo da sueca Labrador.


Negative Scanner - "Nose Picker"














Em 2015 esta banda de Chicago impressionou com o seu registo debutante e o mais recente "Nose Picker" não lhe fica atrás mercê do seu estimulante post-punk em temas curtos mas plenos de pujança.


Pinch Points - "Mechanical Injury"














Prosseguindo por trilhos post-punk, "Mechanical Injury" é o enérgico primeiro ep dos australianos Pinch Points e pela amostra nesta cassete são uma banda a ter em conta no futuro.

Clearance - "At Your Leisure"














Tal como os Negative Scanner, os  Clearance são igualmente oriundos de Chicago, contudo a sua sonoridade remete para um jangle-indie-rock que tem tanto de Feelies como do catálogo da Flying Nun e uma abordagem sonora em comum com os Salad Boys e Rolling Blackout Coastal Fever.


Smokescreens - "Used To Yesterday"














Numa mesma toada de devoção ao influente som proveniente da Nova Zelândia surge o novo registo dos Smokescreens que absorve essa influência e adiciona elementos da vaga C86 e jangle-pop da escola R.E.M., num todo que cativa com facilidade.

Primo - "Primo Amici"














As australianas Primo! acabam de editar o seu curto mas jovial primeiro álbum que tanto pica o ponto no post-punk  (Slits, Kleenex) como no indie-pop (Jale, Electrelane), repleto de melodias simples mas eficazes, e sim, a marca da Flying Nun também se faz notar!

Optiganally Yours - "O.Y. In Hi-Fi"














Dos inúmeros projetos musicais do prolifico Rob Crow, é um facto que os Pinback são os que mais se destacam, no entanto esta sua investida com base no teclado deveras sui generis de seu nome Optigan, acaba por revelar uma costela fortemente pop, e o resultado final não fica nada atrás em comparação com os de maior monta na sua carreira.

Khalab - "Black Noise 2084"














O novo registo do DJ / produtor italiano Khalab é uma sedutora abordagem futurística em termos de fusão de diversas sonoridades: do afrobeat ao future bass, das field recordings ao hip-hop, jazz e eletrónica, contando com colaborações de peso como Shabaka Hutchings, Clap! Clap! e Moses Boyd na criação de um disco empolgante e visionário.

Massage - "Oh Boy"














Editam pela australiana Tear Jerk records mas no entanto os Massage são oriundos de L.A. e após dois anos de gestação editam o seu disco de estreia que contou com a produção de Jason Quever dos Papercuts. Com as influências à flor da pele, ainda assim a banda realiza um disco aprazível com aquele toque de intemporalidade pop.

Enviar um comentário